Por dentro das notícias

Páginas

26 de ago de 2010

MALUF JÁ ERA, AINDA FALTA OS OUTROS 299 PICARETAS

                                                                   
fONTE: BLOG DO JAMILDO

Farsantes tentam responsabilizar categoria pela não votação da PEC 300!

                                                                         




                                                                            





Texto de autoria do Deputado Federal Capitão Assumção









O presidente da Câmara dos Deputados, Michel Temer (PMDB-SP), e o líder do governo Lula na Casa, Cândido Vaccarezza (PT-SP) enganam os brasileiros sobre a PEC 300, uma proposta que a cada dia se

torna mais urgente e vital para o futuro do nosso país. Esses artistas do mal enganam os trabalhadores de Segurança Pública, os verdadeiros heróis do Brasil ao não dizerem o real motivo de o segundo turno da PEC 300 não ter sido votado na semana passada, durante o último período de votações na Casa antes do pleito de outubro. Não vejo como alguém – principalmente homens públicos, de importância vital à Câmara dos Deputados - pode ser contra uma medida que só vai beneficiar a sociedade brasileira. O presidente da Câmara, Michel Temer, publicou uma nota responsabilizando os bombeiros, policiais e agentes penitenciários pelo cancelamento do esforço concentrado, ao tomarem o salão verde da Câmara. pior, tentam colocar agentes penitenciários contra bombeiros e policiais. Esse covarde, no primeiro dia de esforço concentrado nem compareceu à mesa para presidir os trabalhos pois sabia que a ordem do palácio era de não votar a PEC 300. só depois que a sessão foi cancelada é que houve a revolta e a posterior invasão da Câmara culminando com a permanência e vigília no salão verde. Eu estava lá e presenciei tudo. O negócio era tão tendencioso que imediatamente após a tomada do salão verde, dei uma entrevista à TV Câmara, juntamente com os demais revoltosos e essa entrevista onde denunciava as artimanhas de Vaccarezza e Temer não foi ao ar. No dia seguinte, exigi toda a entrevista sob pena de denunciar a atitude pró governo da TV Câmara. Só dessa forma pude exibir em meu blog toda a falcatrua de Temer e Vaccarezza: os covardões da nação brasileira. A polícia penal não é responsável por nada, tampouco os bombeiros e policiais. Eles não são falsos. Possuem caráter, coisa que esses dois pilantras nunca possuíram. Portanto, companheiros, rechacem essa conversa mole, essa desculpa esfarrapada, de que a invasão legítima e democrática de bombeiros e policiais ao Salão Verde da Câmara, ocorrida na semana passada, impediu os deputados de apreciarem a PEC 300. Não permitam que essa infâmia se espalhe como se verdade fosse. Não deixem eles maquiarem os fatos com um argumento que insulta a inteligência daqueles que acompanham a tramitação dessa matéria há tempos. O que impediu a votação da PEC 300 foi um ancestral descaso que os governantes deste país têm para com os trabalhadores da Segurança Pública. Afinal de contas, quando se quer votar alguma matéria no Congresso, o acordo de votação brota com uma facilidade desconcertante aos mais incrédulos entusiastas do entendimento político em nosso Parlamento. Temer e Vaccarezza nunca confessarão que o governo federal usou a PEC 300 como isca para votar matérias de seu interesse. Deram com os burros n'água. Nada foi votado. Eles não respeitem a inteligência dos trabalhadores da Segurança Pública do Brasil. Sem os agentes penitenciários, os bombeiros e policiais, as instituições nacionais, o Estado Democrático Direito e as liberdades individuais seriam apenas palavras ocas na boca de intelectuais e acadêmicos. Sem o esforço diário e constante desses homens e mulheres, o Brasil já teria sucumbido à criminalidade. E é para defender os trabalhadores da Segurança Pública que estou deputado federal.





Respeitosamente, Capitão Assumção









Fonte: Blog do Capitão Assumção / Blog do Diniz K-9

Pernambuco: Cel do Bombeiro diz em Artigo que naquele movimento onde 18 coronéis redigiram um documento e marcharam em direção ao Palácio dos Campos da Princesas está um emenda modificativa a Constituição de Pernambuco que reimplanta o adicional de inatividade e acaba com a promoção imediata, o oficial disse ainda que o tema voltará a tona em novembro, portanto preparesse! É a primeira vez que um oficial fala abertamente sobre o tema já que muitos negam que estão discutindo esse assunto.

                                                                            




PACTO PELA VIDA E SALÁRIO PELA MORTE!



Enquanto o Brasil não assume o compromisso da implantação do Ministério da Defesa Social que implemente a política nacional de segurança pública e cidadania às unidades federativas, Pernambuco partiu de frente! Ainda vai demorar, o Ministério da Defesa Civil! Falta ocorrer desastres e grandes catástrofes!



Mas, não se pode negar que a postura do Governador Eduardo Campos, em avocar pra si o comando da segurança pública do Estado determinado à elaboração de um plano de governo que resultasse num programa, cuja gestão por resultados fosse, além dos órgãos operativos da SDS, mas envolvesse todo o executivo, legislativo e judiciário e, a participação da sociedade civil organizada como um todo, foi sem sombra de dúvida, a forma inteligente de combater à criminalidade e a redução dos índices de violência.



O programa pacto pela vida, assim denominado, veio agregar valores, esforços, fortalecer o Estado e integrar os órgãos operativos e à sociedade pernambucana visando à paz social, a ordem e a tranqüilidade pública pretendida!



O projeto de lei nº 1506/2010 de autoria do executivo referente aos reajustes salariais dos órgãos operativos contendo significativa diferença entre percentuais concedidos, notadamente em prestígio da Polícia Civil violou a política de integração dos órgãos de Defesa Social do Estado, consolidada no Pacto pela vida, cuja repercussão negativa no seio da tropa causa, como de fato causou, inquietação, insatisfação, frustração e descontentamento.



Dezoito Coronéis da PMPE reuniram-se no Comando Geral em apoio irrestrito ao Cmte José Lopes posicionando-se pela insatisfação com a forma diferenciada de tratamento da questão da política salarial, a qual tem influência preponderante na consecução dos objetivos fixados no pacto pela vida!



Em documento próprio, ratificou-se o desejo de se abrir um canal de negociação visando à paridade de tratamento com a Polícia Civil, justificando tratar-se de órgãos operativos do mesmo sistema; solicitou-se que, no futuro, haja participação mais efetiva de representantes da corporação nas discussões salariais; e por fim, o envio de Emenda Modificativa que, em síntese, regulamentaria a concessão do Adicional de Inatividade previsto no art. 131 §§7º e 8º da Constituição Estadual, revogaria o título da promoção imediata e, a aplicação do anexo contendo tabela de novos soldos. O resultado, já se sabe! A promessa de renegociação para novembro de 2010!



Em síntese. Continuemos trabalhando com o mesmo vigor e entusiasmo do Governador torcendo por sua reeleição e, rezando para que essa sonhada integração dos órgãos operativos, um dia, seja total, quiçá salarial, também; enquanto isso, o pacto é pela vida, e, o salário, é o pela morte; entre os três piores do Nordeste e, entre os quatros mais baixos do Brasil!



Portanto, amigo, mude sua postura, se for essa a hipótese! “Não reclame da escuridão, acenda a luz”! Faça isso por você e por sua família! Pense nisso! Feliz aposentadoria!





Abraço fraternal, Ednaldo Costa, uma voz solitária; um grito sozinho de alerta!

Fonte: http://www.adeilton9599.blogspot.com/

Comandantes Gerais querem barrar ANISTIA aprovada pelo Congresso Nacional e até agora não SANCIONADA pelo Presidente Lula.

                                                                                          


                                                                           
                                                                                 
FRENTE NACIONAL

Coronel tenta barrar lei que perdoa PMs grevistas

Projeto aprovado no Congresso reintegra policiais expulsos por participar de mobilizações trabalhistasSob a coordenação do coronel gaúcho João Carlos Trindade, comandantes das polícias militares de todo o país entraram em combate contra um projeto que perdoa cerca de 3 mil policiais punidos por participar de movimentos reivindicatórios. A orientação é pressionar o governo federal para que a proposta, já aprovada pelo Congresso, não seja sancionada.



Se entrar em vigor, a medida defendida por representantes de cabos e soldados resultaria na reintegração de pelo menos 300 PMs e bombeiros expulsos de suas corporações desde 1997, além de riscar das fichas funcionais dos envolvidos eventuais prisões e punições administrativas. Também eliminaria a condenação por crimes previstos no Código Penal Militar, como insubordinação e agressão, cometidos durante as mobilizações trabalhistas.



O projeto de lei beneficia policiais do Distrito Federal e de oito Estados: Rio Grande do Norte, Bahia, Roraima, Tocantins, Pernambuco, Mato Grosso, Ceará e Santa Catarina. O Rio Grande do Sul não faz parte da lista porque os poucos castigos aplicados devido a uma mobilização ocorrida em 1997 foram solucionados ainda na época.



O militar gaúcho coordena a frente antianistia por ser o presidente do Conselho Nacional de Comandantes Gerais das Polícias Militares e Corpos de Bombeiros Militares e se dizer preocupado com o impacto nacional da medida. Trindade argumenta que a concessão da anistia aos policiais que participaram de paralisações ou manifestações por melhores salários e condições de trabalho compromete os princípios de “hierarquia e disciplina” de todas as instituições estaduais do país e abre um precedente temeroso.



– Esse projeto é um coice no ordenamento jurídico. Se alguém se sentiu injustiçado, tinha uma série de recursos à disposição. O que não dá é para passar uma régua geral, valendo para todo mundo – critica o comandante.



Líder de soldados e cabos diz que projeto repara injustiças



Trindade encaminhou ofícios ao Ministério da Justiça e à Presidência da República defendendo o veto ao projeto de lei 3.777/08. Também enviou um documento para os comandantes militares dos demais Estados, pedindo que os colegas pressionem o governo federal. No texto, o coronel diz que a aprovação da lei “pode incentivar movimentos de anarquia e de sublevação da ordem dentro das corporações militares”:



– São 27 comandantes de polícia, e 23 de bombeiros. Todos estão se mobilizando. Se o projeto for sancionado, vamos entrar com uma ação de inconstitucionalidade – anuncia.



O presidente da Associação Nacional das Entidades de Classe de Cabos e Soldados das Polícias Militares e Bombeiros Militares do Brasil, o também gaúcho Leonel Lucas, sustenta que a anistia é uma bandeira dos praças há vários anos e visa a reparar o que consideram injustiças:



– Estes policiais estavam na luta para melhorar salários e o bem-estar de suas famílias. Não foram punidos por furto ou por roubo, mas por participarem de manifestações.



marcelo.gonzatto@zerohora.com.br



fonte: http://www.adeilto9599.blogspot.com/

Tudo começa no 11º BPM da PMPE: O Blog do Adeilton9599 teve acesso ao pedido de parecer do Comandante do CPC ao Assessor Jurídico da PMPE sobre o Comandamento de Guarnição por Cabos e Soldados Função essa que é de Sargento por Lei e Regulamento. Veja

Requerimentos firmados por Cabos e Soldados do 11º BPM, da PMPE, fizeram o Comandante do Policiamento da Capital pedir parecer ao Assessor Ajurídico da PMPE, sobre o comandamento de guarnições realizados por cabos e soldados, primeiro ele pediu parecer ao DGO e em seguida ao Assessor Jurídico veja. Para ver as imagens em tamanho real clique nela que ela amplia







Fonte: http://www.adeilton9599.blospot.com/