Por dentro das notícias

Páginas

7 de dez de 2010

Concurso do Ministério Público na Bahia abre inscrições nesta segunda

Salários são de R$ 2.030,79 para nível médio e de R$ 3.658,39 para nível superior


Redação CORREIO

Começam nesta segunda-feira (6) as inscrições para o concurso do Ministério Público da Bahia, que vai preencher 100 vagas na capital e no interior do estado. São 80 para o cargo de assistente-técnico administrativo, sendo 30 vagas para a capital e 50 para o interior e 10 para motorista (oito na capital e duas no interior), ambas de nível médio.
A remuneração inicial é de R$ 2.030,79 para assistente-técnico administrativo e motorista; e de R$ 3.658,39 para analista técnico. A carga horária é de 40 horas semanais. Além dos salários, o órgão oferece auxílio-alimentação de R$ 308.
Há ainda dez oportunidades para analista técnico, com nível superior, sendo uma vaga para profissional de Jornalismo; uma para Publicidade e Propaganda; uma vaga para Serviço Social; quatro para Sistemas e três para Tecnologia. Para essa última será exigida habilitação na área de Análise de Sistemas, Ciência da Computação, Engenharia da Computação ou Sistema da Informação.
Inscrições
As inscrições poderão ser feitas pelo site da Fesminp (www.fesminp.org.br) até o dia 14 de janeiro. A taxa de inscrição é de R$ 60, para os cargos de nível médio e R$ 90 para nível superior. O concurso consistirá em uma etapa para o cargo de assistente e duas para os cargos de motorista e analista.
A primeira prova está prevista para o dia 6 de fevereiro. As provas terão duração de 4h30, com início previsto para as 8h30.

Eduardo Ctrl C: Outro Governador eleito vai copiar Eduardo Campos.

Já copiam o Governador de Pernambuco os seguintes Governadores:

Sérgio Cabral Rio de Janeiro reeleito;
Renato Casagrande governador eleito do Espirito Santos;
Ricardo Coutinho governdor eleito da Paraíba;
e agora Tasso Genro governaor eleito do Rio Grande do Sul.

Era bom que Edurdo copiasse Marcelo Deda de Sergipe e José Maranhão da Paraíba que implantaram a PEC 300, lá nos seus estados

Popularidade do governador de Pernambuco inspira Tarso.

Governador eleito pretende implantar gestão semelhante ao modelo de Eduardo Campos

Letícia Duarte | letícia.duarte@zerohora.com.br Impressionado com as conquistas do governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), que se reelegeu com 83% dos votos, Tarso viajará neste mês para Recife para ver tudo de perto. Será a segunda visita da equipe de transição: em novembro, assessores estiveram lá para o primeiro contato.
ZH esteve em Recife, entre os dias 11 e 12 de novembro, e apresenta agora os pilares da gestão Campos que serão seguidos no Estado.
—Vamos fazer do nosso jeito e adaptar à realidade local, mas queremos seguir o modelo de Pernambuco, especialmente a dedicação profunda do governador em todos os projetos e o monitoramento intensivo das metas — diz o futuro secretário-geral do governo Tarso, Estilac Xavier.
>>> Leia a reportagem completa em Zero Hora Dominical

Em São Paulo para ser Sargento tem de ser Cabo. Lá se formaram 975 Sargentos esse ano e aqui em Pernambuco quantos Sargentos se formaram nesse ano ou nos últimos anos?

Para participar do Curso de Formação de Sargentos são necessários: ser cabo da Polícia Militar; ter bom comportamento há dois anos; ser considerado apto em teste de aptidão física e inspeção de saúde; ter concluído o Ensino Médio; ser motorista habilitado nos termos do Código de Trânsito Brasileiro; ter aptidão em digitação; e ter nos últimos quatro semestres conceito considerado no mínimo dentro do esperado para a funçã0
Polícia Militar forma mais 975 sargentos
Alunos passaram nove meses em curso e reforçarão policiamento na capital, interior e litoral
O Estado de São Paulo ganha 975 sargentos de 3ª classe, que reforçarão o policiamento da Capital, de cidades do interior e da Grande São Paulo. Após nove meses, os policiais concluíram o Curso de Formação de Sargentos, ministrado na Escola Superior de Sargentos (ESSgt). Somente no ano passado, 1.247 sargentos se formaram no curso.
Do total de 975 sargentos, 887 são homens e 88 mulheres. Os policiais se apresentaram no dia 27 de dezembro do ano passado e atuaram durante três meses na Operação Verão. Em 22 de março, ingressaram no Curso de Formação de Sargentos, dividido em três grandes módulos: as áreas Geral, Jurídica e Profissional.
Durante 534 horas, os alunos tiveram aulas de diversas disciplinas, como Psicologia da Liderança, Gestão Contemporânea da Qualidade, Direitos Humanos, Medicina Legal e Criminalística, Direito Militar, Doutrina de Polícia Comunitária, Policiamento Ostensivo, Tiro Defensivo na Preservação da Vida "Método Giraldi", entre outras.
Os sargentos escolheram como paraninfo da turma o desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo, Spencer Almeida Ferreira. O patrono é o sargento Paulo José de Lima Monteiro. Ele ingressou na Polícia Militar em 1989 e atuou no Corpo de Bombeiros durante 21 anos. Em homenagem à memória do sargento, a turma que se forma leva seu nome.
Escola Superior de Sargentos e Certificações
De acordo com o decreto nº 54.911, de 14 de outubro de 2009, de reconhecimento da Lei Complementar Estadual 1.036/2008, todos os cursos da Polícia Militar do Estado de São Paulo são de nível superior. A lei é específica para a PM, dadas as peculiaridades da profissão, de acordo com a Lei de Diretrizes de Base da Educação Nacional (LDB).
Com o reconhecimento, o Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças (CFAP) mudou sua denominação para Escola Superior de Sargentos. A ESSgt conquistou a certificação ISO 9001 em Sistema de Gestão da Qualidade, em 2007; e ISO 14001 em Sistema de Gestão Ambiental, em 2004. Além disso, conquistou o Prêmio Paulista da Qualidade na Gestão em grau bronze por três anos consecutivos - 2007, 2008 e 2009 -, além do Prêmio de Gestão, da Revista Banas Qualidade, nos anos de 2006 e 2007.
Preocupada com a preservação do meio ambiente, a Escola Superior de Sargentos também recebeu o Selo Verde da ONG Ecolméia pelo desenvolvimento de práticas sustentáveis, e o reconhecimento da Secretaria Estadual da Saúde pelo Ambiente Livre de Tabaco.
Para ingressar
Para participar do Curso de Formação de Sargentos são necessários: ser cabo da Polícia Militar; ter bom comportamento há dois anos; ser considerado apto em teste de aptidão física e inspeção de saúde; ter concluído o Ensino Médio; ser motorista habilitado nos termos do Código de Trânsito Brasileiro; ter aptidão em digitação; e ter nos últimos quatro semestres conceito considerado no mínimo dentro do esperado para a função.
Da Secretaria De Segurança Pública
Fonte: O Serrano http://www.oserrano.com.br/mais.asp?tipo=Local&id=18741

Policiais de todo o País podem parar dia 1º de janeiro !

                                             
            

Congresso em Foco
A atuação da polícia na megaoperação contra o tráfico de drogas no Rio de Janeiro na última semana parece não ter sensibilizado o governo. A
votação da principal reivindicação de policiais no Congresso – a
aprovação da PEC que estabelece o piso salarial da categoria – será
novamente adiada. Em resposta, representantes da categoria sinalizam
paralisação geral da polícia no dia 1º de janeiro, dia da posse da
presidente eleita, Dilma Rousseff.

A manobra de adiamento – articulada pelo governo, para atender ao pedido de governadores, que temem o forte aumento de gastos nos estados –
foi feita pelo líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP),
junto a líderes de partidos. Quase seis meses depois da votação da PEC
300/2008 em primeiro turno no plenário da Casa, o líder da base propôs a
criação de uma comissão especial de segurança pública.

A intenção é debater nessa comissão diversos projetos na área de segurança e incluir entre as matérias as propostas de emenda à
Constituição que estabelecem o piso salarial de policiais civis e
militares e bombeiros militares. A criação da comissão foi apresentada a
representantes da categoria na noite da última quarta-feira, durante a
votação do pré-sal no plenário.

DIVIDIDOS – A iniciativa de criar a comissão dividiu as lideranças policiais na Câmara. Para o autor da PEC 300, deputado Arnaldo Faria de
Sá (PTB-SP), o envio da matéria à comissão especial poderá significar o
estabelecimento de um prazo. As comissões especiais têm um prazo inicial
pré-fixado para concluir seus trabalhos. Segundo a Secretaria Geral da
Mesa, esse prazo será fixado no ato de criação da comissão especial.

“O jogo deles é retardar a votação do piso. A gente aceita fazer o jogo deles, para ter prazo para aprovar e, em 90 dias, decidir tudo”,
avaliou Faria de Sá, que deve ser indicado para ser presidente da
comissão especial.

Na avaliação do deputado Capitão Assumpção (PSB-ES), a criação da comissão especial é uma proposta “fora de tempo e do espaço”. O
parlamentar questiona a validade regimental de se criar uma comissão
especial após a PEC já ter sido votada em primeiro turno no plenário da
Casa e atribui a ação a uma tentativa de “procrastinar” a votação.

“Essa comissão especial é fora do tempo e do espaço. Não cabe neste momento. Já passou. O debate já foi exaurido. O que precisamos é
concluir essa votação”, afirmou Capitão Assumpção. “O Vaccarezza se
tornou o procrastinador absoluto da Câmara. Ele está passando por cima
do Regimento Interno da Casa. Já votamos a matéria em primeiro turno.
Tem que se concluir a votação”, disse.

A PEC 300 foi aprovada em primeiro turno em julho deste ano. Desde então, parlamentares ligados à categoria articulam acordos para votar a
matéria em segundo turno. Inicialmente o impasse se dava em torno do
valor salarial. A proposta original vinculava o piso nacional ao salário
recebido por polícias do Distrito Federal, os mais bem pagos da
categoria.

Em primeiro acordo, estabeleceram-se valores de R$ 3,5 mil, para o piso de praças e agentes, e R$ 7 mil, para o piso de delegados e
oficiais de polícia. Posteriormente, em negociações com o governo,
retirou-se o valor nominal do texto da PEC e estabeleceu que esse valor
será firmado por projeto de lei do Executivo, a ser encaminhado ao
Congresso 180 dias após a promulgação da emenda à Constituição.

JUSTIFICATIVAS – Na última quarta-feira, o líder Vaccarezza anunciou que o governo não votará neste ano propostas que possam “causar
dificuldade financeira para a União ou para os estados no próximo ano”. A
PEC do piso salarial de policiais e bombeiros seria uma delas. A
votação da proposta tem enfrentado forte resistência por parte de
governadores, que pediram que a questão salarial dos policiais seja
discutida junto a outras matérias de segurança. Esse debate seria só no
ano que vem.

Para justificar a pressão dos governadores e o adiamento da apreciação da PEC do piso salarial da polícia, o líder do governo na
Câmara argumentou que a votação de propostas como a PEC 300 precisa ser
mais bem avaliada, pois 2011 tende a ser um ano difícil, com menor
crescimento da economia brasileira e graves problemas internacionais.
Entre eles, Vaccarezza citou a crise mal resolvida dos Estados Unidos e a
guerra fiscal entre China e EUA.

“O argumento deles é muito pífio. Eles estão imaginando o cenário de uma crise que nem surgiu ainda. O grande risco é o governo procrastinar a
votação e nós irmos para o movimento de rua”, disse Assumpção. “A gente
vai fazer algumas manifestações, até que parta para a paralisação geral
em 1º de janeiro”, adiantou. Segundo o deputado, nas próximas quarta e
quinta-feiras haverá concentração de policiais e bombeiros na
Candelária, em São Paulo.


Ler mais: http://policialbr.com/profiles/blogs/policiais-de-todo-o-pais-podem#ixzz17Uqf5AlV                                   

PEC 300 E A OPERAÇÃO NO RIO!

Há muito tempo ouvimos falar: “os traficantes fazem o papel do estado no Rio de Janeiro” e agora com o trabalho realizado pelas Policias e Forças Armadas, estamos vendo alguns resultados que colocam por terra tal afirmação. O último balanço divulgado em 03/12 pela Policia Civil do Rio de Janeiro revelam que em 12 dias de confrontos, incluindo as invasões da Vila Cruzeiro e do Complexo do Alemão foram apreendidas 518 armas, sendo 200 pistolas, 140 fuzis, 73 revólveres, 35 metralhadoras, 34 espingardas e 18 submetralhadoras, alem de 38 granadas e seis bombas artesanais. O total de drogas apreendidas foi de 34, 194 toneladas, sendo 33,8 toneladas de maconha, 313,9 quilos de cocaína, 54 quilos de crack e 1,9 quilo de haxixe, além de 108 litros de cloreto de etila, usado para fazer lança-perfume. A outra “guerra” enfrentada pelo Poder Público revela que até sexta-feira (03), 555 toneladas de lixo foram coletadas, 210,72 toneladas de massa asfáltica para recuperação da pavimentação foram utilizadas, 891 buracos foram fechados, 977 metros de galerias de águas pluviais foram desobstruídos, 1473 lâmpadas foram substituídas e 676 novos metros de cabos elétricos foram instalados. A população que vivia em um clima de terror agora vive um clima de “paz” dentro de uma operação de “guerra”, aplaudindo e agradecendo a operação desencadeada pelo Estado em conjunto com a União; imaginem a sensação que irão sentir com o inicio da segunda etapa das operações após o termino da primeira. Também os dizeres: “o estado já perdeu o controle no Rio de Janeiro” foi por terra, a receita esta ai, é a união das forças estaduais e federais no combate ao crime, bastando por em prática em todo o território nacional, os resultados mostram que é perfeitamente possível a realização de uma ofensiva contra o crime a nível nacional, desarticulando suas lideranças e estabilizando os locais mais afetados com segurança, saúde e educação. Não é necessário ser um profundo conhecedor para enfrentar o crime e sim necessário ser um estrategista para combatê-lo, sendo o profundo conhecedor necessário para evitá-lo e o que estamos vendo é uma grande estratégia militar para a retomada dos territórios invadidos pelos criminosos. O Poder Público, dando continuidade nos trabalhos e investindo na área de segurança pública, não só com inovações, treinamentos e equipamentos, mas principalmente investir no que de mais valioso uma instituição pode ter que é o ser humano, salários dignos, treinamento e com uma política forte de combate a corrupção não haverá espaço para a marginalidade tomar as proporções vistas em nosso País; A aprovação de um piso salarial (PEC300) para os Policiais e Bombeiros do Brasil é sem sombra de dúvidas o primeiro passo, não adianta querer construir auto-estrada para trafegar com carro de boi


Ler mais: http://policialbr.com/#ixzz17Uo4HfQr